Contar com a Fé

A História de Jenna


Uma pequena planta nascendo das cinzas.

Comecei a usar maconha no início da adolescência e usava todos os dias, várias vezes ao dia. Meus pais descobriram quando eu tinha 16 anos e me colocaram num centro de reabilitação ambulatorial. Foi uma solução temporária, mas meu coração não havia mudado.

Mais tarde nos mudamos e encontrei uma nova turma de amigos na nova cidade. Estava no último ano do ensino médio e comecei a beber muito e usar maconha. Quase não consegui me formar. Saí de casa para começar a faculdade onde bebia e participava de festas todo dia. Por causa disso, nunca fui às aulas e fui reprovada. Quando fui expulsa de meu apartamento e vi para onde a dependência estava me levando, decidi por mim mesma que precisava mudar. Estava com 19 anos quando, por mim mesma, entrei num programa de reabilitação ambulatorial, mas alguns meses depois, fiquei desmotivada e desisti. Facilmente voltei a meus velhos hábitos.

Dois anos depois, me interessei por um rapaz que conheci e começamos a namorar. Logo percebi que a vida que estava vivendo não era a que eu sonhara. Eu queria um casamento no templo. Abandonei as dependências para salvar nosso relacionamento e me casar.

Apesar de permanecer livre das dependências, eu tinha outros problemas não resolvidos antes do casamento. Assim, depois de cinco anos juntos, nos divorciamos. Para lidar com a dor, planejei voltar para minha antiga vida de festas. Em vez disso, meus pais me deram o apoio que eu precisava e sugeriram que eu buscasse aconselhamento.

Comecei a me aconselhar com um psicólogo SUD por um ano e meio. No início, tentava lidar com a dor do divórcio e finalmente comecei a trabalhar com as dependências e outras questões que enterrara desde a pré-adolescência. O conselheiro sugeriu que eu frequentasse regularmente as Reuniões de Recuperação de Dependências, apesar de estar sóbria há mais de cinco anos. As reuniões me ajudaram a aprender mais sobre os princípios do evangelho que estão nos 12 passos. Por meio do aconselhamento, do Programa de Recuperação de Dependências e da contínua atividade na Igreja, aprendi a confiar na fé para passar por essa época mais difícil de minha vida. Aprendi que a Expiação não é só para o arrependimento, ela pode curar corações partidos e nos ensinar a perdoar as pessoas que nos fazem sofrer.

No ano passado, comemorei uma década de sobriedade. Estou muito orgulhosa dessa realização. Conheci um homem maravilhoso, casei-me e fui selada no templo. Minha vida é agora mais tranquila e pacífica do que costumava ser.

Acredito que o Programa de Recuperação de Dependências é uma ferramenta incrivelmente útil para qualquer tipo de dependência. Fez a diferença em minha vida e me apresentou a pessoas que são uma inspiração para mim e me ajudaram a encontrar o caminho da felicidade.