Os Pensamentos do Coração

A História de Jesse


Um missionário estudando as escrituras em sua mesa.

A primeira vez que vi pornografia foi por acaso. Eu estava me preparando para tirar minha carteira de motorista e estava procurando na internet um carro para comprar. Durante a pesquisa, eu acidentalmente me deparei com um site que sabia ser ruim. Imediatamente percebi do que se tratava e desliguei o computador.

Senti que tinha uma escolha a fazer — eu podia contar para o meu pai ou podia ficar quieto e lidar com o problema sozinho. Eu sabia que não havia feito de propósito, mas eu estava assustado e não queria contar para o meu pai. No entanto, pensava constantemente na imagem que havia visto na internet e finalmente acabei cedendo à tentação. Meus pensamentos me levaram a um caminho de solidão, dor, medo, insegurança, mentiras e ações que nunca esquecerei.

Durante dois anos, lutei com essa dependência e não queria parar. Eu queria cada vez mais. Dentro de mim, sabia que precisava mudar porque eu sabia que era errado. Finalmente, em meu último ano do ensino médio, resolvi mudar. Um novo bispo tinha acabado de ser chamado em nossa ala, então, para mim, era difícil entrar em seu escritório e contar a ele o que eu havia feito. Eu estava muito envergonhado e com muita dor. Não sabia como prosseguir com minha vida, então eu sabia o que tinha que ser feito.

Quando finalmente falei com meu bispo, contei-lhe o que eu estivera fazendo nos últimos dois anos. Pela primeira vez me senti um pouco aliviado, mas era apenas o começo da minha batalha pela liberdade. O bispo falou comigo com amor e me disse que eu precisava começar a ler as escrituras, orar e me reunir com ele com mais frequência. Ele me perguntou se precisava tirar de mim o privilégio de servir o sacramento até que resolvesse essas coisas. Eu sabia que não queria que isso acontecesse e que queria mudar, então fiz o que ele pediu.

Durante o ano seguinte, eu me libertei do aspecto físico de ver pornografia e foi ótimo. Foi só mais tarde que percebi que a luta não havia acabado. Terminei o ensino médio e servi missão. Em minha missão, percebi que a dependência física era mais fácil de superar, mas que a pior parte era superar meus pensamentos. Sentia que estava travando uma batalha em minha mente que não podia vencer .

Comecei a questionar minha fé e o porquê de estar na missão. Todos os sentimentos de vergonha, medo, desonestidade e do meu passado secreto voltaram. Tive vontade de fugir para esconder meus problemas. Novamente tinha que tomar uma decisão e eu não sabia o que fazer. Sentia-me perdido e derrotado em todas as frentes e queria desistir.

Mas lembrei-me de uma coisa que tinha ouvido quando era mais jovem; era sobre a Expiação de Jesus Cristo, orar e buscar perdão por meio de Cristo. Decidi fazer prova disso, sabendo que não seria um processo fácil. Comecei dizendo a mim mesmo para viver um dia de cada vez. Meu presidente de missão me disse para fazer exercícios toda vez que tivesse pensamentos ou vontade de fazer algo. Um milagre começou, mas não era algo enorme ou grande. Foi simples. Virei-me para o Senhor e disse: “Não posso fazer isso sozinho. Ajude-me, por favor”!

O processo ainda não era fácil, e levou tempo. Eu lia as revistas da Igreja e o Livro de Mórmon. Também jejuava e orava para realmente aplicar a Expiação em minha vida. No fim de um domingo, eu finalmente senti um magnífico sentimento de paz e liberdade. Percebi que eu havia perdoado a mim mesmo e vencido o que havia me atormentado durante muitos anos. Senti-me em paz e grato pela Expiação de Jesus Cristo. Isso foi uma vitória, uma vitória para nunca ser esquecida!

Terminei minha missão e voltei para casa com honra para encontrar minha família e amigos. Tenho desfrutado de tantas bênçãos que sei que não teria se não tivesse tomado a decisão de me voltar ao Senhor pedindo ajuda. Hoje sou casado com uma pessoa maravilhosa que me ama e me apoia em tudo que me esforço a fazer. Estamos esperando nosso primeiro filho.

Eu ainda luto com a lembrança do que fiz 10 anos atrás, mas sei que serve de lembrete do que eu não quero fazer novamente. Acho que estou em paz com meu passado, apesar de poder ainda ser tentado. Sei em meu coração que o Senhor me perdoou, e que eu me perdoei.